Home         Igreja Virtual         Multimídia         Cultos           Rede Gospel            Gospel FM         Igospelmail
Um mergulho na história de Ezequias, um rei fiel ao seu Rei

Imagem relacionada
 
Ezequias significa "Javé Fortalece" ou "Jeová Fortalece".
 
Era filho de Acaz e Abi (2 Reis 18.2) ou Abia (2 Crônicas 29.1). Foi o 12º rei de Judá. Reinou conjuntamente com seu pai de 729 a 715 a.C. e, aos 25 anos, assumiu o trono.
 
Foi um monarca temente a Deus e lutou para que Seus princípios fossem praticados pelo povo. Em sua jornada como um dos homens mais importantes de Israel, buscou seguir os passos do seu pai espiritual, o rei Davi (2 Reis 18.3).
 
Inconformado com a situação de miséria do povo – causada pelo seu antecessor que cometeu uma série de abominações –, no primeiro mês de seu reinado, abriu as portas do templo e as reparou, reintegrou os sacerdotes e os levitas ao seu ministério e reinstituiu a celebração da Páscoa (2 Crônicas 29.1 a 7 e 30.5). Além disso, extinguiu a idolatria em Judá.  Em seu reinado, que durou 29 anos, trabalhou pela reforma, disciplina, limpeza e santificação.
 
Experiências e livramentos
 
Ezequias ficou conhecido por suas atitudes da fé. Seus discursos eram encorajadores e inspiradores.
 
“Sede fortes e corajosos, não temais, nem vos assusteis por causa do rei da Assíria, nem por causa de toda a multidão que está com ele; porque um há conosco maior do que o que está com ele. Com ele está o braço de carne, mas conosco, o SENHOR, nosso Deus, para nos ajudar e para guerrear nossas guerras!”, afirmou ele ao descobrir que Judá seria invadida.
 
Ao ser confrontado pelo Rei da Assíria, Senaqueribe, fez um clamor para que o Senhor livrasse seu povo da destruição (2 Reis 19.14 a 19).
 
Todos foram salvos de um cerco em Jerusalém, após a interferência de um anjo enviado por Deus. Durante a noite, 185 mil homens do exército inimigo foram exterminados (2 Reis 19.35), inaugurando um tempo de paz em Judá.
 
Após a expulsão dos assírios, Ezequias adoeceu e recebeu uma notícia devastadora do profeta Isaías, que disse: “Assim, diz o Senhor: ‘Põe em ordem sua casa, porque morrerás!’” (2 Reis 20.1).
 
Inconformado, Ezequias pôs-se a orar: “Lembra-te, SENHOR, peço-te, de que andei diante de ti com fidelidade, com inteireza de coração, e fiz o que era reto aos Teus olhos.” (2 Reis 20.3).
 
Isaías, então, retorna com outra mensagem do Senhor, informado um acréscimo de mais 15 anos à vida do rei (2 Reis 20.5 e 6). E, como prova do cumprimento dessa palavra, Deus deu um sinal a Ezequias, fazendo atrasar dez graus a sombra do relógio solar construído por Acaz.
 
Seus erros
 
Tendo se recuperado da enfermidade, cometeu um sério equívoco ao mostrar os seus tesouros aos mensageiros da Babilônia. Devido a isso, foi advertido pelo profeta Isaías, que previu o futuro cativeiro dos judeus, o que ocorreu durante invasão de Nabucodonosor, no reinado de Zedequias.
 
Ezequias também falhou em não formar seu sucessor, o rei Manassés, que foi considerado um dos mais cruéis e profanos de Judá.
 
Acompanhe, no vídeo abaixo, um estudo completo sobre os reis de Judá:
 
 
Veja também uma ministração do Apóstolo Estevam Hernandes, que destacou os segredos do reinado de Ezequias:
 
 
Três provas de que Ezequias realmente existiu
 
1- O aqueduto
 
Também conhecido como Túnel de Siloé, o Tunel de Ezequias é um aqueduto que foi escavado em uma rocha sólida, na cidade de Jerusalém, por volta de 701 a.C., durante o reinado de Ezequias.
 
Descrito por peritos como uma das grandes proezas de engenharia da antiguidade, o túnel conduzia o povo desde a Fonte de Giom até o tanque de Siloé e foi projetado para abastecer Jerusalém de água, durante um sítio organizado pelos assírios (2 Reis 20.20, 2 Crônicas 32.2 a 4).
 
Relembre, no vídeo abaixo, o momento em que o Apóstolo Estevam Hernandes visitou este local histórico, durante a Caravana Apostólica:
 
 
2- Vestígios de um santuário pagão destruído por ele
 
Arqueólogos da Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA, na sigla em inglês) encontraram artefatos que comprovam a narrativa bíblica de 2 Reis 18.1 a 4.
 
Durante as escavações, que aconteceram no Parque Nacional Tel Lachish, entre o Monte Hebrom e o Mar Mediterrâneo, de janeiro a março de 2016, os pesquisadores encontraram um “portão-santuário”, datado no século 8 a.C – o maior do período do Primeiro Templo já descoberto no país.
 
Resultado de imagem para 2- Vest?­gios de um santu?¡rio pag?£o destru?­do por ezequias
 
"O tamanho da porta é consistente com o conhecimento histórico e arqueológico que possuímos. Lachish era uma grande cidade, uma das mais importantes depois de Jerusalém", disse Sa'ar Ganor, um dos responsáveis pela expedição.
 
De acordo com o especialista, a destruição dos ídolos ocorreu perto dos portões da cidade. Ali, idosos, governadores, reis e funcionários tinham o costume de se reunir. “Os bancos onde eles sentaram foram encontrados em nossas escavações”, garante ele.
 
3- O selo real
  
Arqueólogos israelenses descobriram uma marca do selo do rei Ezequias. A inscrição circular em uma peça de argila de menos de um centímetro de comprimento pode muito bem ter sido feita pelo próprio rei, disse Eilat Mazar, da Universidade Hebraica de Jerusalém, que dirigiu a escavação onde a peça foi encontrada.
 
“Essa é a primeira vez que a impressão de um selo de um rei israelita ou da Judéia veio à luz em uma escavação arqueológica científica”, afirmou.
 
A impressão na argila, conhecida como bula, foi descoberta junto ao pé da parte sul de um muro que cerca a Cidade Velha de Jerusalém, uma região rica em relíquias do período do primeiro dos dois templos judeus antigos.
 
Resultado de imagem para selo de ezequias
 
O artefato estava enterrado em uma área de descarte de dejetos que remonta aos tempos de Ezequias, e provavelmente foi atirado de um edifício real adjacente, segundo Mazar, contendo escritos em hebreu antigo e o símbolo de um sol com duas asas.
 
A bula foi catalogada inicialmente e armazenada, juntamente com 33 outras, após uma primeira inspeção que não conseguiu detectar sua verdadeira identidade.
 
Só cinco anos mais tarde, quando um membro da equipe a examinou sob uma lupa e discerniu pontos entre algumas letras, é que seu significado ficou claro. Os pontos ajudam a separar as palavras “Pertencente a Ezequias (filho de) Acaz, rei de Judá”.
 
Mazar afirmou que a parte de trás da impressão na argila tem sinais de barbantes finos que eram usados para amarrar papiros.
 
“Sempre surge a pergunta ‘quais são os fatos reais por trás das histórias bíblicas?'. Aqui, temos a chance de chegar tão perto quanto possível da própria pessoa, do próprio rei”, concluiu.
 
 
Redação iGospel
Leia também:
Centro de Estudos Apostólico tem turmas intensivas para julho (12.07)
90% dos animais surgiram ao mesmo tempo, revela estudo (15.06)
SBB lança Bíblia de Estudo da Reforma Protestante (19.07)
“Renasci”, a Bíblia de estudos voltada ao público jovem (13.03)
10 dicas para melhorar a concentração nos estudos (26.10)

Publicado em 08/11/2018
Matérias | Igrejas | BUSCADOR


Mais Notícias
16.11
Adolescentes vivem experiências inesquecíveis no Acampa Teen
16.11
Jejum da Prosperidade de Ezequias chega ao 9º dia
16.11
Designer da Pixar diz que Deus é sua inspiração
16.11
Confira a agenda de eventos para este feriado
16.11
Mais de dois mil igrejas são fechadas em Angola
16.11
Filme "Entrevista com Deus" estreia nos cinemas brasileiros
16.11
Confira o line-up do S.O.S. da Vida Gospel Festival

Radio Gospel FM 90.1 | Marcha para Jesus | Renascer Praise | O2 Church
Todos os direitos reservados - 2018 | Ano Apostólico de Ezequias
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.