Home         Igreja Virtual         Multimídia         Cultos           Rede Gospel            Gospel FM         Igospelmail
90% dos animais surgiram ao mesmo tempo, revela estudo

Imagem relacionada
 
Um novo estudo constatou informações que podem abalar a ideia defendida pela teoria da evolução. Segundo a pesquisa genética, cerca de 90% dos animais da Terra surgiram ao mesmo tempo que os humanos, entre 100 mil e 200 mil anos atrás.
 
O estudo foi promovido pelo pesquisador Mark Stoeckle, da Universidade Rockefeller, em Nova York e pelo geneticista David Thaler, da Universidade de Basileia, na Suíça. Os resultados foram publicados pela revista Human Evolution.
 
Embora os livros didáticos de biologia defendam que as espécies se tornaram mais geneticamente modificadas ao longo do tempo, Stoeckle garante que entre os 7,6 bilhões de habitantes do planeta, a diversidade genética "é a mesma".
 
O resultado mais surpreendente do estudo é que nove entre dez espécies na Terra hoje, incluindo humanos, surgiram de 100 mil a 200 mil anos atrás. "Essa conclusão é muito surpreendente e eu lutei contra ela o máximo que pude", disse Thaler à AFP.
 
Como isso é possível?
 
Os animais possuem dois tipos de DNA — aquele com o qual estamos mais familiarizados, o DNA nuclear, que é transmitido de pais para filhos e contém o plano genético para cada indivíduo; e o DNA mitocondrial, menos familiar, encontrado nas mitocôndrias das células.
 
As mitocôndrias contêm 37 genes e um deles, conhecido como COI, é usado para fazer o código de barras do DNA. Ao contrário dos genes no DNA nuclear, que podem diferir espécie para espécie, todos os animais têm o mesmo conjunto de DNA mitocondrial, fornecendo uma base comum para comparação.
 
Por volta de 2002, o biólogo molecular canadense Paul Hebert estabeleceu uma maneira de identificar espécies através da análise do gene COI. Ao analisar os códigos de barras em 100 mil espécies, os pesquisadores descobriram que quase todos os animais surgiram mais ou menos na mesma época que os humanos.
 
Jesse Ausubel, diretor do Programa para o Ambiente Humano da Universidade Rockefeller, acredita que os resultados da pesquisa podem ser explicados por um trauma ambiental. "Vírus, eras glaciais, novos competidores bem-sucedidos, perda de presas — tudo isso pode causar períodos em que a população de um animal reduz bruscamente”, argumenta.
 
Uma das hipóteses dos pesquisadores está no evento de extinção em massa há 65,5 milhões de anos, quando um suposto ataque de asteroides acabou com dinossauros terrestres e metade de todas as espécies na Terra.
 
Por outro lado, a ausência de espécies "intermediárias" é algo que também deixaria Darwin perplexo, de acordo com Thaler.
 
 
Fonte: CPAD News
Leia também:
Centro de Estudos Apostólico oferece cursos online (26.03)
Centro de Estudos Apostólico oferece aulas de inglês (21.01)
Jovens cristãos são menos ansiosos segundo estudo (31.10)
Centro de Estudos Apostólico tem turmas intensivas para julho (12.07)
SBB lança Bíblia de Estudo da Reforma Protestante (19.07)

Publicado em 15/06/2018
Matérias | Igrejas | BUSCADOR


Mais Notícias
07.04
Como manter a serenidade diante de momentos de extrema pressão?
07.04
Igreja Renascer inicia o Jejum dos Livramentos nesta terça
06.04
Como preparar a Santa Ceia do Senhor em casa?
06.04
Acompanhe os cultos transmitidos neste domingo
05.04
Bispa Sonia: "Deus quer te dar vitórias por onde você for"
04.04
Apóstolo ministra sobre como vencer o medo espiritual
04.04
Apóstolo ministra a oferta de Ezequias na ceia de abril

Radio Gospel FM 90.1 | Marcha para Jesus | Renascer Praise | O2 Church
Todos os direitos reservados - 2020 | Ano Apostólico de Rute
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.