top of page

Local onde Jesus curou cego será aberto ao público


Uma nova escavação em Jerusalém revelou degraus não vistos há mais de 2 mil anos no Tanque de Siloé, local onde Jesus curou um cego de nascença, como mostra o texto bíblico abaixo:


João 9.1 a 6: Enquanto Jesus caminhava, viu um homem cego de nascença. E os seus discípulos perguntaram: — Mestre, quem pecou para que este homem nascesse cego? Ele ou os pais dele? Jesus respondeu: — Nem ele pecou, nem os pais dele; mas isso aconteceu para que nele se manifestem as obras de Deus. É necessário que façamos as obras daquele que me enviou enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar. Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo. Depois de dizer isso, Jesus cuspiu na terra, fez lama com a saliva e com a lama untou os olhos do cego.


“Essas escavações contínuas dentro da Cidade de Davi, especialmente do Tanque de Siloé e da Rota de Peregrinação, são uma das maiores confirmações dessa herança e do vínculo de milênios que judeus e cristãos têm com Jerusalém. Não apenas como questão de fé, mas como questão de fato”, disse Ze’ev Orenstein, diretor de Assuntos Internacionais da Fundação Cidade de Davi, organização sem fins lucrativos fundada em 1986, “dedicada à preservação e ao desenvolvimento da Cidade de Davi e seus arredores, e está comprometida em conectar pessoas de todas as religiões e origens com a antiga Jerusalém”.


“A meia milha que atravessa a Cidade de Davi, do Tanque de Siloé no sul, continuando ao longo da Rota de Peregrinação, até os degraus ocidentais do Muro das Lamentações, degraus do Sul e Monte do Templo, representa a meia milha mais significativa do planeta. Não há meia milha em nenhum lugar da Terra que signifique mais do que a meia milha que é a Cidade de Davi”, acrescentou ele.


De acordo com as duas agências israelenses e a Fundação Cidade de Davi, o tanque foi construído pela primeira vez há cerca de 2.700 anos como parte do sistema de água de Jerusalém no século VIII a.C.


Este fato ocorreu durante o reinado do Rei Ezequias.



Redação

Comments


Últimas

bottom of page